BLOG ALIANÇA FRANCESA  gOIÂNIA

Natal Francófono: Tradições Natalinas em Lugares Onde se Fala Francês


Quando vai chegando dezembro no Brasil as ruas já começam a ser enfeitadas, os shoppings preparam suas decorações de Natal e as compras ficam efervescentes ao longo desse mês. Mas não só de enfeites e tradições brasileiras se faz o Natal, então, como são as festividades e tradições natalinas nos países que falam francês?


Ainda que a celebração tenha origem religiosa, 40% da população da França se declara agnóstica, sem religião definida ou ateia. Mas isso não impede as pessoas de se envolverem nas festividades e aproveitarem a ocasião para visitar familiares e amigos.


Apesar de características comuns aparecerem com frequência, como a árvore de Natal, as luzes e o Papai Noel, algumas regiões apresentam tradições específicas e diferenciadas, entre regiões e entre países. Mas antes, vamos começar com o país berço da língua francesa: a França.


Tradições Natalinas da França


Para começar, a montagem da árvore de Natal (sapin de Noël) ocorre muito tempo antes do Natal, costumeiramente, as árvores são decoradas e as guirlandas são penduradas logo depois do feriado da Toussaint, que acontece no dia 01 de novembro.


A Fête de Nöel (Festa de Natal) na França em si, enquanto celebrações e costumes, começa no Avent (Advento, numa tradução em português), do primeiro dia de dezembro até o dia 25.


E uma coisa muito marcante desse intervalo é que ele é marcado de forma diferenciada no calendário, com le calendrier de l’Avent, que são temas natalinos e caixinhas para guardar chocolatinhos.


Mas afinal, o que é o Avente? Basicamente, este é um período do ano litúrgico das quatro semanas que precedem e prepara para festa de Natal, também chamado de l’avénement que é a celebração da chegada do Salvador prometido, para aqueles que mantém a crença religiosa.


Essa tradição foi criada com a intenção de educar as crianças dentro de uma perspectiva cristã, por meio de desenhos e adornos sacros que decoravam ada dia de dezembro e a suas origens remontam a Alemanha protestante do século XIX.


Até que em 1908, ainda na Alemanha, calendários prontos, com desenhos e ilustrações religiosas, passaram a ser comercializados. A moda pegou as famílias da França que também passaram a incorporar essa tradição nas suas festas de Natal.


Já as caixinhas com doces foram aparecer somente em 1950 e desde então é comum encontrá-las em supermercados, padarias, chocolateries e outros comércios.


Para além das caixinhas com docinhos, do calendrier e dos enfeites, outra tradição natalina na França que é muito marcante são os marches de Nöel, que pode ser traduzido como feirinhas natalinas.


Estas feiras são promovidas pela prefeitura e nelas podemos encontrar produtos artesanais, jogos, livros, presentes de Natal, roupas, comidas e bebidas típicas de vários tipos.


Tradições Natalinas da Bélgica


A Bélgica é um país que faz fronteira com a França e está localizado no oeste europeu. Com uma população superior a 11 milhões de habitantes é um país que mistura o moderno e o medieval.


As celebrações de Natal na Bélgica começam no dia 06 de dezembro, que é marcado pela comemoração de Saint Nicolas (São Nicolau, em português) que com seus dons de 6 de dezembro, começa a espalhar a alegria natalina para todas as crianças.


Ele é uma figura central nas festividades natalinas da Bélgica, porque de acordo com as histórias tradicionais, Saint Nicolas se tornou padroeiro dos escolares por ter ressuscitado três crianças que um açougueiro havia transformado em salsichas.


Por conta desse milagre, ele se tornou uma figura muito importante no Natal, que independentemente da nação centra suas celebrações no envolvimento e diversão das crianças.


Então, para esperar a chegada de Saint Nicolas no Natal, as crianças deixam seus chinelos perto da lareira e algumas cenouras para seu burrico. Nesta época do ano as crianças costumam ganhar muitos doces e chocolates na manhã de Natal.


Tradições Natalinas de Benin


Diferente dos países europeus, no Benin a época do Natal é marcada pelo verão e, apesar da influência cristã muito presente na região, a celebração natalina é pouco festejada e mais destinada às crianças pequenas, que costumam ser as únicas a receber presentes.


A língua francesa chegou em Benin por meio dos processos neocolonialistas do século XIX. E foi por meio desse contato com os países europeus que a tradição do Natal chegou a essa região.


Contudo, devido a força das tradições locais e o distanciamento tanto climático quanto cultural da Europa, muitas tradições vinculadas aos costumes europeus se perderam ou não são tão presentes e o período no Natal é um deles, que aparece mais com um peso comercial do que uma tradição regional.


Então, um dos poucos indicadores de que a festividade é celebrada no Benin são as decorações nas ruas e a venta de decorações e outros objetos relacionados ao Natal ou símbolos natalinos, como o gorro do Papai Noel.


Durante este período, o Benin possui uma tradição própria e que nada remete a celebração do Natal. Costumeiramente, a partir da metade do mês de novembro e ao longo de todo o mês de dezembro, grupos de crianças e adolescentes acompanham um personagem mascarado pelas ruas de Benin: o Kaleta.


Uma curiosidade interessante sobre este personagem é que ele foi originalmente importado do Brasil, ele é herança do retorno das pessoas que haviam sido escravizadas no Brasil, entre os anos de 1830 e 1835.


Além do cortejo, também são entoadas canções populares em gratidão ao fechamento do desfile. Caso nenhuma canção seja oferecida, o cortejo é encerrado com uma música dedicada ao avarento, no entanto, sempre com um clima festivo e amistoso.



12 visualizações0 comentário